INSS da Paraíba para nesta segunda e sindicato diz que só urgências serão atendidas

0

Os servidores do INSS da Paraíba resolveram aderir à greve nacional que já atinge 16 estados e também decidiram parar as atividades a partir desta segunda-feira (13). A decisão foi tomada em assembleia na tarde desta quinta-feira (9), que contou com a participação de 130 servidores realizada no auditório da sede do INSS, no Centro de João Pessoa.

De acordo com o secretário administrativo do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde e Previdência (Sindsprev), Euzevir Cavalcante, somente os atendimentos considerados urgentes serão realizados. “Nós estaremos em cada agência com uma equipe que avaliará cada caso e dependendo da urgência iremos atender”, disse.

Euzevir explicou que serão garantidos aqueles atendimentos que não podem ser adiados, como desbloqueio de pagamentos urgentes, auxílios que não podem esperar ou concessão de benefícios de urgência. “Vai ser feita uma avaliação para ver a urgência de cada caso e aqueles que forem considerados inadiáveis, poderão ser atendidos”.

O INSS possui cerca 1,2 mil servidores e atende em dias considerados de grande movimento, que compreendem o fim e o começo de cada mês, quando cerca de 7 mil pessoas precisam, diariamente, dos diversos serviços.

Reivindicações

Entre as reivindicações dos trabalhadores está a questão salarial. O sindicalista informou que a defasagem dos salários da categoria está em torno dos 30% e o governo federal está oferecendo um reajuste linear, ou seja, para todos os servidores públicos federais de 21,3% para ser implantado em quatro anos.

Outra reivindicação dos servidores do INSS diz respeito à incorporação das gratificações. Segundo Euzevir, 60% dos salários são pagos através de gratificação, e destes, somente 20% pode ser levado para a aposentadoria, os outros 40%, os servidores perdem, ou seja, não são incorporáveis.

Os servidores denunciam ainda que muitos colegas em idade de se aposentar estão adiando a saída da ativa devido à falta de pessoal. “Mesmo com o concurso anunciado para preenchimento de mais de 900 vagas, há necessidade de muito mais servidores”, reclamou.

Na opinião do sindicalista, nos últimos 20 anos, o INSS precisaria ter contratado pelo menos mais 20 mil servidores para atender a demanda de atendimento ao público de todo país.

Portal Correio

Você também pode gostar

Comentários

Carregando...