Pedras Britadas

O meu último encontro com Valéria Rezende se deu há pouco tempo e entrou para a cota dos agradáveis acasos. Já havia cumprimentado a autora de “Quarenta Dias” pelo melhor romance de 2015, agraciada que foi, recentemente, com o prêmio Jabuti, a maior láurea da literatura brasileira. Ainda não o tinha feito de forma presencial. O encontro inesperado com a escritora foi em um café em João Pessoa. O abraço, a foto, dois dedos de prosa e o dedo dela em riste, em tom de reiterada cobrança foram, para mim, balsâmicos.

Gosto de Valéria “de graça”, como se diz por estas bandas. O gostar a que me refiro é fruto de uma admiração antiga, antecedente, em muito, ao Jabuti. Data de outros tempos. Conheci a autora em Guarabira, acho que lá pelo final da década de 70. Educadora, fotógrafa, cineasta, poeta, escritora, enfim, uma mulher de muitos ofícios, multifacetada.

Nessa época ela sumia e voltava, ciclicamente, em suas andanças por Oropa, França e Bahia, em suas demandas latino americanas, num tempo em que a noite política ainda era escura, porém a manhã já se anunciava, esta mesma manhã que almejo não escureça novamente e pela qual me disponho a lutar permanentemente.

Tenho como certo que foram dessas idas, vindas e permanências na Paraíba, onde há muito fixou residência, que ela tirou as histórias contadas em seus livros, transbordantes de humanidade. Sem dúvida uma leitura envolvente e prazerosa, que instiga e emociona. Palavras que desembocam carregadas de múltiplos significados, denunciadoras de farta vivência e de uma fina compreensão da alma humana universal.

De uns dias para cá tenho lido, repetidas vezes, um poema de Viviane Mosé no qual a autora dá a entender que nas emoções represadas pode estar a raiz de muitos dos nossos males. Palavras presas, para ela, acabam endurecidas, calcificadas. Se transformam em tumores, abcessos e até em pedras. Diz Viviane em sua poesia que: “palavra boa é palavra líquida, escorrendo em estado de lágrima” — A voz literária de Valéria, na fala emprestada a Alice, personagem central do seu livro, é na verdade tumor liquefeito, abcesso lancetado, pedra esfarelada, paráfrase que tento para estabelecer uma ponte entre o dizer poético de Viviane e Quarenta dias.

Alice, personagem central do livro, neste particular, ganha a dimensão de barragem, rompida pela mecânica radical das mudanças compulsórias. Como reação, impinge sobre a “Barbie” uma esfera gráfica e, dessa fricção, revelam-se as fissuras entre dois mundos. Dois mundos que se chocam geográfica e cronologicamente, evidenciando maniqueísmos de novo e velho, de norte e sul, de distancias polares.

Hoje, quando escolho o que vou ler, me guio pelas sensações, como a de quem bebe um vinho. Acho que isso se deve às licenças conferidas pelos janeiros. Penso tê-las conquistado. A nada me obrigo neste particular. Não sou crítico literário, nem sommelier, me reconheço apenas leitor e enófilo, um consumidor em busca do que me agrada o paladar. Para não fugir à analogia, a amiga Valéria, enquanto autora, é um rótulo que guardei na memória desde a muito boa safra de O voo da guará vermelha. Quarenta dias, de uma safra mais recente, é uma festa para as papilas cerebrais.

Só há pouco tempo consegui, com o auxilio da própria autora, traduzir o oferecimento que ela fez no meu exemplar de Quarenta dias, escarrapichado pela sua esfera gráfica: “Para Alexandre, companheiro de tantas jornadas, esta travessia pelas rachaduras de ruas e almas. Um abraço grande da irmã Valéria”. …travessia de ruas e almas… No minimalismo da definição da sua própria obra, em três palavras, uma fartura de significados onde cabe o mundo.

Voltando ao dedo em riste da autora e ao seu mantra …”escreva, escreva, escreva…” acabei por fluidificar as palavras de agora. O seu pedido para publicar a foto do nosso encontro com a seguinte legenda: “O dia em que prometi a Valéria que publicaria um livro” me fez britar estas pedras, amolecer estas palavras, que de certo estavam calcificadas. Um compromisso e tanto para o meu pouco engenho e arte, mas desde já topado.

Nordeste1

COMENTE ESTA MATÉRIA

 
PUBLICIDADE
Nome

Alexandre Henriques Brasil Cidades Ciência e Saúde Concursos Cultura Đestaque Economia Educação Empregos Entretenimento Eraldo Luis Especial Esporte Foto do Internauta Fotos Guarabira Internacional Klebson de Oliveira Levy Galdino Luiz Tananduba Martinho Alves Mundo Paraíba Policial Política Pr. Antônio Júnior Receita do dia Tecnologia Νotícias Οpinião Ρrincipal τop
false
ltr
item
CartaPB - Informação Indispensável: Pedras Britadas
Pedras Britadas
https://2.bp.blogspot.com/-6JPF79YqzeI/VvGBD6cI24I/AAAAAAAAFS4/70bS5G2cqVcQ5hpMWVDb3QA1jtcyc4b7w/s320/Alexandre-Henriques1-360x200.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-6JPF79YqzeI/VvGBD6cI24I/AAAAAAAAFS4/70bS5G2cqVcQ5hpMWVDb3QA1jtcyc4b7w/s72-c/Alexandre-Henriques1-360x200.jpg
CartaPB - Informação Indispensável
http://www.cartapb.com/2016/03/pedras-britadas.html
http://www.cartapb.com/
http://www.cartapb.com/
http://www.cartapb.com/2016/03/pedras-britadas.html
true
7985130296924381775
UTF-8
Não há postagens VER TUDO Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Home CONTINUE LENDO POSTAGENS Ver tudo RECOMENDADO PARA VOCÊ; CATEGORIAS ARQUIVO SEARCH TODAS AS POSTAGENS Sua busca não encontrou resultados Back Home Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO BLOQUEADO Por favor compartilhe para desbloquear Copiar todo código Selecionar todo código Todos conteúdo foi copiado para sua Área de transferência Você não pode copiar o código / texto, por favor pressione [CRTL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar