Possibilidade de proibição do aplicativo Waze divide opiniões; entenda o caso

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI), da Câmara dos Deputados, aprovou, no dia 30 de agosto, uma pauta polêmica. O projeto prevê a proibição de aplicativos como o Waze no Brasil, que mostram ao usuário onde encontrar blitze e radares no trânsito. A ferramenta, que pertence ao Google, oferece rotas e sugestões de caminhos pelo mapa. O caso está gerando ampla discussão.

Se for aprovado novamente, o PL segue para a Comissão de Constituição e Justiça. Só depois disso o projeto poderá ser discutido no plenário da Câmara e, se aprovado, será encaminhado ao Senado, de onde partirá para a Presidência da República para ser aprovado ou vetado. O caminho é longo até que se chegue a uma posição conclusiva, mas a possibilidade de boqueio de um aplicativo que é visto como um aliado para fugir dos engarrafamentos por meio de rotas alternativas.

Para o usuário do aplicativo Yann Moura, de 23 anos, a suspensão é compreensível em partes. "Sou a favor do aplicativo em relação a algumas informações que ele presta, exemplo: quando uma rota está lenta, congestionada ou boa para trafegar. Quando tem acidentes também é possível localizar no programa, facilitando a vida de muitas pessoas e evitando um trânsito maior. Mas sou contra quando alguém o utiliza para desviar do serviço da polícia, deslizando-se da lei. Se a pessoa tiver consumido bebida alcoólica, localizar no aplicativo uma blitz e ir por um caminho alternativo, compromete a vida de outras pessoas que não têm nada a ver."

Já a estudante de engenharia Yasmin Gomes, também usuária do aplicativo, não concorda com a proibição, pois o Waze é útil em outros serviços. "Não concordo com o veto do Waze. Ele é super prestativo para mim que gosta de usá-lo como mapa, além de escolher aquela rota com menos trânsito, o que torna ainda mais vantajoso tê-lo. Se tiver que suspender algo ou punir alguém, que suspenda apenas a parte negativa, que é a questão das blitze, e puna somente aqueles que agem contra a lei".

A advogada Kelly Caldas opina. “A função deste aplicativo coopera com o crime e deixa a sensação de impunidade àqueles que, confiantes, agem na contramão do ordenamento jurídico”.

Segundo Rálisson Andrade, comandante da Companhia de Polícia de Trânsito (CPTran) em Campina Grande, o Waze presta um desserviço à população.

“As blitze não visam somente a parte de trânsito, mas também são importantes ferramentas de segurança pública. A gente tem recuperado veículos roubados e furtados, inclusive armas e drogas portadas pelos motoristas dos mesmos. Então, a partir do momento em que existem aplicativos como esse, tanto os indivíduos que estão em desacordo com a legislação de trânsito, como criminosos, serão favorecidos, pois evitarão passar por elas, deixando de ser, assim, autuados em flagrante. É importante a retirada de todos esses aplicativos, como também é importante a consciência da população para não burlar esse trabalho feito pela polícia, que é para favorecer ela mesmo”.

Debate sobre legislação de aplicativos


Para o advogado especialista em Direito Eletrônico e Digital Renato Falchet Guarach, a aprovação do projeto na Comissão foi uma surpresa. “O projeto de lei, além de trazer prejuízos enormes às novas tecnologias, também afronta o Marco Civil da Internet, que prevê a liberdade dos modelos de negócio promovidos na internet, além de promover o direito à inovação de novas tecnologias”.

Ele continua: “Nesse contexto, há de se ressaltar que o Marco Civil da Internet contempla a liberdade da rede, sem qualquer tipo de restrição e, desta forma, promulgar lei que restringe o acesso a determinado aplicativo, por si só, já está confrontando a lei que rege a atividade na rede. Se retornarmos ao antigo debate sobre bloqueio dos aplicativos Facebook e WhatsApp, que não colaboram com investigações criminais e, neste ponto, questionar: se é mais valioso à sociedade a garantia de sua segurança contra tráfico de drogas, tráfico de pessoas, estupro de vulnerável, terrorismo, dentre outros crimes, ou se é mais importante garantir que o usuário do Waze não saberá onde fica uma blitz policial e, desta forma, trazer eventual prejuízo à arrecadação, visto que poderá fugir da aplicação de multas de trânsito?".

Apesar da explicação, o especialista colocou que a proibição do Waze e a proibição do Facebook e WhatsApp são dois assuntos completamente distintos e sem relação.

"Todavia, os riscos trazidos pelo modelo de negócios dos aplicativos do grupo Facebook são muito maiores que os riscos trazidos pelo aplicativo Waze e, portanto, passa a ser um ponto de comparação, visto que nosso legislador pretende proibir aquele que traz praticamente nenhum risco à população", afirmou o especialista.

Segundo ele, isso demonstra que o debate e as questões legislativas de aplicativos e novas tecnologias devem ser mais aprofundadas e colocadas em discussão com a sociedade, com as empresas e os especialistas em Direito Eletrônico e Digital. "No entanto, parece que a administração pública está mais preocupada em arrecadar com multas do que em proteger a população”, finalizou Renato.

A advogada Kelly Caldas rebateu a ideia do especialista: “Não tem como concordar com um pensamento de que a proibição do referido aplicativo tenha o condão de 'arrecadação de fundos'. Ora, a legislação é criada e sancionada a fim de pôr ordem e ser cumprida! O cidadão é quem deve se colocar numa posição de cumpridor da Lei e não de vítima, ocultando-se ante seus ilícitos, no caso particular, o de trânsito. Não haveria arrecadação de multas se não houvesse ilícitos, ou seja, o cidadão é quem tem que decidir cumprir.”

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) da Paraíba foi procurada para compartilhar informações a respeito do assunto, mas disse que não se posiciona sobre temas que estão no campo de projetos ou propostas. A PRF esclareceu que só comenta sobre leis vigentes e, por isso, não entrará com opiniões.

COMENTE ESTA MATÉRIA

 
PUBLICIDADE
Nome

Alexandre Henriques Brasil Cidades Ciência e Saúde Concursos Cultura Đestaque Economia Educação Empregos Entretenimento Eraldo Luis Especial Esporte Foto do Internauta Fotos Guarabira Internacional Klebson de Oliveira Levy Galdino Luiz Tananduba Martinho Alves Mundo Paraíba Policial Política Pr. Antônio Júnior Receita do dia Tecnologia Νotícias Οpinião Ρrincipal τop
false
ltr
item
CartaPB - Informação Indispensável: Possibilidade de proibição do aplicativo Waze divide opiniões; entenda o caso
Possibilidade de proibição do aplicativo Waze divide opiniões; entenda o caso
https://2.bp.blogspot.com/-7q28Gj2MNWI/V_ubn77jmvI/AAAAAAAAHbU/tbaVmn-KbEs3nh4IGu_HCR8kdSZDe2N4wCLcB/s320/152983%252C362%252C80%252C0%252C0%252C362%252C271%252C0%252C0%252C0%252C0.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-7q28Gj2MNWI/V_ubn77jmvI/AAAAAAAAHbU/tbaVmn-KbEs3nh4IGu_HCR8kdSZDe2N4wCLcB/s72-c/152983%252C362%252C80%252C0%252C0%252C362%252C271%252C0%252C0%252C0%252C0.jpg
CartaPB - Informação Indispensável
http://www.cartapb.com/2016/10/possibilidade-de-proibicao-do.html
http://www.cartapb.com/
http://www.cartapb.com/
http://www.cartapb.com/2016/10/possibilidade-de-proibicao-do.html
true
7985130296924381775
UTF-8
Não há postagens VER TUDO Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Home CONTINUE LENDO POSTAGENS Ver tudo RECOMENDADO PARA VOCÊ; CATEGORIAS ARQUIVO SEARCH TODAS AS POSTAGENS Sua busca não encontrou resultados Back Home Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir CONTEÚDO BLOQUEADO Por favor compartilhe para desbloquear Copiar todo código Selecionar todo código Todos conteúdo foi copiado para sua Área de transferência Você não pode copiar o código / texto, por favor pressione [CRTL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar