Sobre confianças e decepções

Deixemos que as pessoas errem; permitamos que elas nos decepcionem.

0
(Foto: Domínio Público/Pixabay)

O que postar que não seja controverso? Falar de confiança, ao que parece, sempre o será. Controverso porque nos é ensinado que é necessário confiar nas pessoas, mas se esquecem de nos instruir a não confiarmos totalmente, incondicionalmente. Então, quão desastroso pode ser o resultado? — Depositamos tudo o que temos em alguém e acabamos por nos frustrar no final. E sabe o que é pior? Colocamos a culpa na pessoa que nos decepcionou, sem ao menos titubear.

Mas será que não estaremos também sendo injustos? Ora, a outra pessoa tinha minha esperança em suas mãos e a traiu. Será isto justo, então?

Uma coisa que sempre me faz pensar é o quanto somos voltados para nós mesmos. Quando alguém nos apunhala pelas costas, a culpabilização de quem nos fez mal é certa. Mas nunca pensamos que essa pessoa é passível de erros, não pensamos que nós também o somos.

Quantas vezes não falhamos com alguém? Quantas vezes não o deixamos na mão?

Nós exigimos que as pessoas — aquelas mesmas que NÃO são uma extensão do nosso corpo e NÃO possuem uma ligação indissolúvel com a nossa mente — sejam perfeitas conosco, que não nos frustrem, mas não percebemos que nós mesmos também causamos o mesmo tipo de decepção em alguém? Então, não seria justo que pensassem primeiramente em si mesmas, da mesma forma como fazemos muitas vezes? Quem as poderá julgar por isto? E é mentiroso ler uma afirmação desta e dizer que nunca o fez. Sim, você já fez, nós todos já fizemos isso um dia.

Não queremos nos entristecer com alguém? Lembremo-nos de uma coisa: a vida é assim! E não seria saudável se não fosse. Como é fácil dizer que está aprendendo a não confiar em alguém e tal (o que se vê em muitos posts vazios por ai a fora) e postar nossas insatisfações. Mas raciocina sobre uma outra coisa: NINGUÉM é obrigado a fazer o mundo girar a nossa volta!

Não somos o astro-rei! Deixemos que as pessoas errem, permitamos que elas nos decepcionem! Nada mais saudável que saber lidar com isto com maturidade — é isto que pode nos salvar dos abismos emocionais em que nos colocamos: maturidade emocional e, talvez, terapia – algo que nos faça crescer!

Não digo que não confiemos, digo que não o façamos como que se disto dependesse nossa existência! Quanto mais dependente do outro nós formos, emocionalmente, maior será o buraco em que estaremos mais adiante, pois é impossível que algum erro não apareça. Também não digo que sejamos de todo desconfiados, mas que deixemos as pessoas serem o que elas sabem ser de melhor, assim como nós: humanas.

Não coloquemos expectativas em alguém sem levarmos isso em consideração.
Seria isto injusto?

Você também pode gostar
Comentários
Carregando...